Especial-Eleições, Kevin Yamada

ELEIÇÕES 2018 – Não sabe em quem votar?

NÃO SABE EM QUEM VOTAR? VEJA QUEM SÃO OS CANDIDATOS E QUAIS SÃO SUAS PRINCIPAIS PROPOSTAS.

No próximo domingo, 7, serão realizadas as eleições brasileiras. Com treze candidatos, a corrida presidencial deste ano é a mais polarizada e pulverizada de toda a história, além de ser a mais concorrida desde 1989, ano da redemocratização, quando foram 22 candidatos na disputa pelo Planalto.

No Japão, todos os cidadãos brasileiros com a situação eleitoral regularizada poderão se dirigir a cinco pontos fixos que estarão abertos no dia das eleições das 08h às 17h, horário oficial de Tóquio.

Para ajudar na escolha, o Portal Japão preparou uma matéria especial apresentando propostas e quem são, em ordem alfabética, todos os candidatos que pontuaram na última pesquisa Ibope, realizada na segunda (2) e terça-feira (3), que ouviu 3.010 eleitores de diferentes regiões.

  

ÁLVARO DIAS – 19 (Podemos)

Vice: Paulo Rabello (PSC)

O historiador Álvaro Fernando Dias, 73 anos, disputa pela primeira vez uma eleição para presidente pelo pequeno partido Podemos. Apesar de novo na corrida presidencial, o candidato tem um longo histórico na vida pública, tendo ocupado cargos como o de governador do Paraná, dep. Federal, além de hoje ser senador no terceiro mandato seguido. Como ex-governador, deixou o cargo com 65% de aprovação.

Para a presidência, Álvaro Dias apresenta a proposta de “refundar a República”, propondo a criação de uma nova Constituição Federal, seguida de uma consulta popular em 2020. Além disso, ele aposta do discurso de fortalecimento da Operação Lava Jato e promete que irá convidar o juiz Federal Sérgio Moro para ser o Ministro da Justiça em seu governo. Para segurança, apresenta proposta que facilitem o acesso ao porte da arma de fogo para a população. Segundo a mais recente Pesquisa Ibope, o candidato tem 1% de intenções de votos.

 

CABO DACIOLO – 51 (Patriota)

Vice: Suelene Balduino (Patriota)

Deputado Federal pelo estado do Rio de Janeiro desde 2015, Benevenuto Daciolo dos Santos, 42 anos, está na sua primeira corrida presidencial. O candidato, que integra a bancada evangélica no Congresso Nacional, é o mais polêmico entre os concorrentes e valoriza propostas contra a interferência de países estrangeiros no Brasil, além de ter um discurso inflamado contra o comunismo. Em 2011, Daciolo organizou a greve dos Bombeiros no Rio de Janeiro.

Sua candidata a vice é a pedagoga Suelene Balduino, também do Patriota. Segundo a pesquisa Ibope, a chapa tem hoje 1% das intenções de voto hoje.

 

CIRO GOMES – 12 (PDT)

Vice: Kátia Abreu (PDT)

O advogado e professor de direito Ciro Ferreira Gomes, 60 anos, está na sua terceira disputa presidencial. O candidato, que é ex-governador do Ceará, ex-ministro da Casa Civil no governo Itamar Franco, e ex-ministro da Fazenda no governo Lula. Como governador, deixou o cargo com 74% de aprovação, em 1974. Disputou o cargo de presidente em 1998 e 2002, mas não chegou ao segundo turno em nenhuma das eleições. Ele também foi deputado Federal até 2011, quando deixou o cargo como um dos melhores parlamentares do país.

Segundo a pesquisa Ibope, Ciro Gomes tem hoje 10% da intenção de votos para o primeiro turno, sendo o terceiro mais bem pontuado. O candidato se declara de centro-esquerda e concorre com os votos do PT, em maior peso no Nordeste do país. Quanto a suas propostas, Ciro promete criar um plano para limpar o nome dos endividados, no intuito de retomar o poder de compra de maior parte da população. Além disso, ele pretende criar 2 milhões de empregos no primeiro ano de governo por meio da retomada de obras públicas que estão paradas e foca na revogação da reforma trabalhista do governo Temer.

 

FERNANDO HADDAD – 13 (PT)

Vice: Manuella D´avilla (PCdoB)

Filiado desde 1983 ao Partido dos Trabalhadores, Fernando Haddad é o nome indicado para substituir o ex-presidente Lula, que teve sua candidatura negada pelo Tribunal Superior de Justiça, TSE, com base na Lei da Ficha Limpa, já que Lula está preso e condenado em segunda instância a 12 anos e 1 mês de detenção.

Haddad é professor de Ciência Política na Universidade de São Paulo, além de ter sido ministro da Educação nos governos do PT, até 2012. O presidenciável também foi prefeito da cidade de São Paulo durante um mandato, quando saiu sem conseguir ser reeleito, em 2016. Ao deixar a prefeitura, Haddad teve 17% de aprovação entre os paulistanos.

Quanto a suas propostas, Haddad apresenta focar numa ampliação das politicas de integração criadas pelo PT, além de, na segurança, focar em investimento nas Forças Armadas. Para economia, ele pretende revogar as reformas feitas pelo presidente Michel Temer e incentivar um corte de juros para impulsionar o crescimento do poder de compra.

Com a invalidação da candidatura de Lula, o PT formou chapa com a jornalista Manuella D´avilla, deputada estadual no Rio Grande do Sul, numa aliança com o Partido Comunista do Brasil. Segundo a pesquisa do Ibope mais recente, a chapa está em segundo lugar na corrida presidencial, somando 23% das intenções de voto.

 

GERALDO ALCKMIN – 45 (PSDB)

Vice: Ana Amélia (PP)

Com formação em medicina, Geraldo José Rodrigues Alckmin Filho, 65 anos, tem uma longa carreira política e está disputando a presidência pela segunda vez. Em 2006, em sua primeira candidatura ao cargo de presidente, Alckmin foi derrotado pelo então candidato Lula, obtendo menos votos no segundo turno que no primeiro.

Filiado ao Partido da Social Democracia Brasileira, PSDB, o presidenciável compõe o centrão e tem apoio do PP, DEM, PRB, PR e Solidariedade. Em sua vida política, Geraldo Alckmin foi deputado Federal e foi governador do estado de São Paulo por quatro mandatos. Para disputar a corrida presidencial, ele deixou o governo de São Paulo este ano com uma aprovação de 36%.

Em seu plano de governo, o tucano foca em proposta como uma reforma política, com a promoção do voto distrital buscando diminuir o número de partidos, além de prometer que vai focar na diminuição de ministérios, de cargos públicos e no corte de privilégios e mordomias. Na pesquisa Ibope mais recente, o presidenciável aparece com 7% das intenções de voto.

 

HENRIQUE MEIRELLES – 15 (MDB)

Vice: Germano Rigotto (MDB)

Em sua primeira candidatura para presidente, Henrique de Campos Meirelles, 72 anos, é engenheiro e executivo da área financeira. Ele começou sua carreira política em 2002, quando foi eleito deputado Federal, depois de deixar a presidência de um banco americano. Devido a nomeação para presidência do Banco Central, Meirelles não assumiu o cargo. Em 2016, o presidenciável foi nomeado para ser Ministro da Fazenda no governo Temer, deixando o cargo para concorrer à presidência.

Por ser candidato pelo Movimento Democrático Brasileiro, MDB, partido do atual presidente Michel Temer, o candidato tem como principal desafio nas eleições vencer a reprovação de 82%, segundo o Datafolha, do governo de Temer, em que Meirelles foi ministro. Entre as principais propostas, Meirelles apresenta o Pró-Criança, um financiamento estudantil que propões que governo auxilie mães a colocar filhos em creches privadas. Outra proposta que ele apresenta é possibilitar a privatização de empresas estatais, como a Petrobrás. Na última pesquisa Ibope, a chapa emedebista soma 2% de intenções de votos.

 

JAIR BOLSONARO – 17 (PSL)

Vice: General Mourão (PRTB)

Jair Messias Bolsonaro, 63 anos, é um militar da reserva que concorre pela primeira vez à presidência. Em 1989, Bolsonaro iniciou sua vida pública quando foi eleito vereador pelo estado do Rio de Janeiro. Hoje, o presidenciável está no seu sexto mandato como deputado Federal, também pelo Rio de Janeiro.

Como militar da reserva, Bolsonaro, do Partido Social Liberal – PSL, tem um discurso focado na segurança pública e na defesa da família tradicional. Em suas propostas para presidência, o deputado foca na liberação do porte de armas para a população, além de prometer tornar as leis mais rígidas contra criminosos. Em seu tempo como deputado, o candidato sempre foi um forte opositor ao ensino sobre sexualidade nas escolas brasileiras e traz isso para sua campanha a presidente. Para a economia, ele apresenta como seu braço-direito o economista Paulo Guedes, que tem propostas liberais, valorizando as privatizações.

Durante 27 anos de vida política, Bolsonaro, parlamentar da extrema-direita, ganhou notabilidade por suas posições firmes e declarações polêmicas, sendo um dos deputados mais conhecidos no Brasil. Por esse motivo, o militar é um dos candidatos mais cotados para vencer as eleições. Segundo a pesquisa Ibope mais recente, sua chapa é a primeira colocada, somando 32% das intenções de votos.

 

JOÃO AMOEDO – 30 (Novo)

Vice: Christian Lohbauer (Novo)

Em sua primeira disputa a presidência, João Amoedo, 55 anos, é um candidato que nunca ocupou nenhum cargo público. Formado em engenharia e administração de empresas, Amoedo seguiu sua carreira no setor de bancos privados. Foi vice-presidente do Unibanco, participou do processo de venda e tornou-se executivo do Itaú-BBA. Em 2011, participou como um dos fundadores do Novo, onde foi presidente até este ano, quando se afastou do cargo para concorrer ao Planalto.

Em seu plano de governo, apresenta propostas liberais e favoráveis a privatizações. Seu discurso é focado na mudança do financiamento político, com foco no fim de altos salários públicos e mordomias. Seu partido rejeita o fundo partidário e sobrevive de doações de apoiadores. Bem sucedido no setor executivo, o presidenciável é o mais rico entre os candidatos, com patrimônio declarado de 425 milhões de reais.

Devido ao Partido Novo ter apenas cinco segundos no horário eleitoral e por Amoedo não participar de debates na televisão, sua principal forma de divulgação é com a utilização das redes sociais, lugar que ele investe 120 mil reais mensais para impulsão de conteúdo. Segundo a mais recente pesquisa do Ibope, sua chapa soma 2% de intenção de votos.

 

MARINA SILVA – 18 (Rede Sustentabilidade)

Vice: Eduardo Jorge (Novo)

Marina Osmarina da Silva, 60 anos, está na disputa a presidência pela terceira vez. Ela foi derrotada ainda no primeiro turno em 2010 e 2014, quando concorreu PV e pelo PSB, respectivamente. Professora e historiadora, a candidata foi fundadora, em 2015, do partido pelo qual concorre hoje, a Rede Sustentabilidade. Marina já foi senadora por dois mandatos e foi ministra do Meio Ambiente no governo Lula, entre 2003 e 2008.

Em suas propostas, foca na possibilidade da candidatura independente para “quebrar o monopólio dos partidos”, além de propor o fim da possibilidade de reeleições, com o aumento do mandato de presidente de quatro para cinco anos. Em relação a economia, a presidenciável é contra o teto de gastos proposto pelo presidente Temer, mas propõe um limite nos gastos público de até 50% do Produto Interno Bruto.

Seu candidato a vice, o médico Eduardo Jorge, do Partido Verde, disputou as eleições presidenciais em 2014, sendo adversário de Marina no primeiro turno. Segundo a pesquisa Ibope mais recente, a chapa soma 4% das intenções de voto.

SEM RESULTADOS NAS PESQUISAS

 Quatro candidatos não pontuaram na última pesquisa Ibope e, por isso, não tiveram seus histórico e propostas citados. Os quatro presidenciáveis e seus respectivos números são: Guilherme Boulos – 50 (PSOL), Vera Lúcia – 16 (PSTU), João Goulart Filho – 54 (PPL), Eymael – 27 (DC).

LOCAIS DE VOTAÇÃO

Sobre o autor.

Postagens relacionadas