Doutor da Dor, Informações, Saúde e Beleza

Doutor da Dor

Você está sofrendo com dores que parecem não cessar nunca ? Então leia este post de estréia do Doutor da Dor.

Para que se entenda a trajetória de DOUTOR DA DOR, vou tentar resumir a história para não ficar cansativo (tarefa difícil para quem gosta de falar muito…!!).

Há exatamente 7 anos, em 31 de outubro de 2011, meu pai seguiu para seu descanso eterno vitimado por um problema pulmonar crônico chamado Enfisema pulmonar causado pelo cigarro e pelo trabalho que exerceu há anos, aspirando micropó de nylon em sua indústria de confecção.
No ano anterior à sua partida, ainda pude tratá-lo principalmente por um transtorno que o perseguia por mais de 5 anos quando a doença se agravou: a DOR por inatividade (parou de andar e se exercitar pela dificuldade em repor
oxigênio em seu corpo) que o atormentava 24 horas por dia.
Tentava controlar com dipirona, o fortalecimento do músculo da coxa, o que reduziu muito as dores intermitentes, mas que o aliviava somente por apenas algumas horas.

Ao retornar temporariamente do Japão, no lugar da comoção, veio à tona o sentimento de ter de combater esta dor à qualquer preço.
Apesar de ele estar muito debilitado, iniciei um trabalho diário, até que ficou completamente sem dor no 7° dia. Em 31 dias, já havia recuperado muito do que havia perdido dos músculos da coxa ao longo dos anos.
Para ele, um milagre, para mim a ciência que se fazia presente, fazendo valer todos os anos de estudos e pesquisas.

Foto: arquivo pessoal

A última palavra que ele me deixou, antes de sua morte, foi :
「Peço a você que continue seu trabalho e ajude a todas as pessoas a aliviarem suas dores como fez comigo」

E assim, se deu início à minha batalha contra os transtornos dolorosos e pacientes de alta complexidade.

 

O que é TRANSTORNO DOLOROSO?

¨DOR É UMA SENSAÇÃO DESPRAZEROSA E UMA EXPERIÊNCIA EMOCIONAL
ASSOCIADA A UMA LESÃO REAL OU POTENCIAL, OU DESCRITA EM TERMOS
DE UMA LESÃO¨
International Associtation for Study of Pain – IASP (Associação Internacional para o estudo da dor)

Ou seja, uma sensação ruim que pode ou não ser causada por uma lesão real ou um estado de estresse ou tensão, que é pessoal, ou seja, cada um tem sua forma de expressar sua dor.
Então, antes de falar de tratamento, que muitas pessoas acham que já conhecem ou já sabem, acho melhor entender como é o mecanismo do entendimento da dor e para que ela serve.

 

Primeiramente, aprendemos desde criança
o que é dor e,  inconscientemente,
aprendemos que ela justamente nos defende
de qualquer perigo iminente e nos protege.
Então, até certo ponto, é um bom sinal,
uma vez que se não sentirmos DOR, não
saberemos a diferença do benefício e
malefício que nosso corpo recebe, tem ou
sofre, o que pode levar à morte.
Existe uma doença em que a pessoa não
sente dor, mas vamos deixar este tema
para outro dia.

A dor serve para que tenhamos noção do que é bom e
do que é ruim para o nosso corpo e para a nossa vida.
Foto: imagens da internet

 

Do ponto de vista neurofisiológico, a
DOR tem uma via, um caminho a se
percorrer. Uma vez reconhecida, a
sensação de dor, logo desencadeia
uma série de ações algumas delas tão
rápidas que nem pensamos na ação,
ela simplesmente ocorre: é o que
chamamos de reflexo de defesa.
É o que acontece, quando nos aproximamos
demais de um perigo real, que vai
trazer danos à integridade do corpo.

Reflexo de retirada, para defender o nosso corpo.
Imagem: Functional Neuroanatomy

 

Tudo é controlado, do começo ao fim,
pelo cérebro (que nós chamamos
também de córtex) inclusive as ações
para fugir ou lutar contra o agente
agressor e enviar a ele uma mensagem
de que está pronto para agir mostrando
(literalmente) ¨na cara¨, pelos músculos
da mímica facial.

 

 

Como tratar ?

 

Inúmeras técnicas foram sendo desenvolvidas
ao longo do tempo em todas as partes do mundo.
Ao longo dos 26 anos de minha formação, pelo
menos 15 são dedicados aos transtornos dolorosos.
Após a conclusão de meu mestrado em ciências
odontológicas na Faculdade de Odontologia da USP,
em 2016, consegui desenvolver técnica única, todas
com base nos estudos das escolas norte-americana,
neozolandesa e asiática. E todas elas convergindo
para um único ponto: o córtex, o sistema mastigatório
e o sistema de controle da postura corporal.
São os 3 pilares básicos da técnica que chamei de Reload Proprioceptivo ou ReLP.

 

 

Para quem já passou pela nossa avaliação
tratamento, tudo foi simples, indolor e
rápido. A maioria de nossos pacientes, às
vezes não sabe nem o que aconteceu.
Somente a dor, que se foi.

 

Cientificamente, houve uma reprogramação postural
significante, potente o suficiente para que regiões
sobrecarregadas pelo dia-a-dia seja no trabalho, em
casa ou no laser, proporcionou um estado de maior
gasto de energia, muitas vezes proporcionando um
processo inflamatório.

 

Mas a técnica não para somente por aí.
Algumas lições o paciente leva para fazer em casa:
afinal, como o corpo é dinâmico, tudo pode voltar
ao que era antes, se o maior interessado não se
interessa pela manutenção e prevenção.

Vamos pensar no assunto ?

 

Dr. Abe é Fisioterapeuta, Diretor responsável da Clínica Doutor da Dor 
Mestre em Ciências pela Faculdade de Odontologia da USP (FOUSP),
Docente de cursos e palestras sobre Reload Proprioceptivo na Faculdade de Medicina da USP (FMUSP)
Membro da International Association for Study of Pain (IASP)
Membro da Sociedade Brasileira de Estudo da Dor (SBED)
Membro da Sociedade Brasileira de Dor Orofacial (SBDOF)
Pesquisador do Centro de Oclusão, DTM e Dor orofacial (CODD) da FOUSP

Fanpage do Doutor da Dor no Facebook : clique aqui

 

 

Sobre o autor.

Postagens relacionadas